Comportamento térmico do óleo de linhaça natural e envelhecido artificialmente

Marcelo Marques da Fonseca, Maria Irene Yoshida

Resumo


O óleo de Linhaça é um óleo natural constituído basicamente de triacilglicerol, contendo alta porcentagem de ácidos graxos poliinsaturados, que têm suas propriedades físico-químicas alteradas durante o processo de oxidação. Muitos estudos têm sido realizados para compreender o processo oxidativo que ocorre em óleos vegetais e para determinar os compostos formados durante a auto-oxidação desses materiais. A Termogravimetria (TG), a Análise Térmica Diferencial (DTA) e a Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC) têm sido utilizadas principalmente no estudo da estabilidade térmica de materiais combustíveis e ainda são escassas no estudo do comportamento térmico do óleo de linhaça, por ser ele amplamente utilizado na fabricação de materiais pictóricos. Assim, avaliou-se o comportamento térmico do óleo de linhaça natural e envelhecido artificialmente por TG/DTG e por DTA, em atmosfera dinâmica de ar sintético e nitrogênio. Os resultados mostraram que, em atmosfera de nitrogênio, as amostras de decompõem em um estágio entre 30°C e 490°C, com perda de aproximadamente 95% da massa inicial. Em atmosfera dinâmica de ar sintético, as amostras reagem com o gás oxigênio e se decompõem em três estágios entre 30° C e 550°C, formando 4,5% (massa) de resíduo. A diferença no processo de decomposição está relacionada à complexidade da matriz e dos mecanismos envolvidos na auto-oxidação do óleo. Os espectros infravermelhos (IV) dessas amostras revelam que vários compostos oxigenados são formados durante o envelhecimento do óleo.


Palavras-chave


LINHAÇA; AUTO-OXIDAÇÃO; ÓLEO

Texto completo:

PDF


ISSN Impresso: 1414 - 5057

ISSN Eletrônico: 2317 - 7756