A constituição da autoria a partir da escrita digital na escola pública

Angela Maria Plath da Costa

Resumo


Objetivamos pensar em formas possíveis de leituras do hipertexto no âmbito educacional, seguindo a perspectiva da Análise de Discurso de linha francesa. Tomamos,para isso, as práticas de leitura e escrita digital de alunos advindos das classes menos favorecidas e/ou marginalizados, no ambiente informatizado da escola pública. As considerações a que chegamos se dão a partir de um projeto que desenvolvemos em duas escolas da rede municipal de ensino do Município de Alvorada, Rio Grande do Sul, objetivando a inclusão digital, como também de uma produção textual realizada a partir do projeto, em uma das escolas. Buscamos refletir sobre como se dá a inscrição do sujeito-aluno nos saberes dispersos no hipertexto, bem como a reorganização destes saberes. As práticas discursivas a partir da leitura do ciberespaço possibilitam ao aluno perceber a si mesmo como sujeito na função da autoria, constituído através da linguagem, na especificidade entre as determinações do ciberespaço e do próprio ambiente educacional. Como autor, o sujeito inscreve-se em uma posição constituída a partir de suas relações com o intrincamento escola/ciberespaço, de onde a escritura digital, como prática discursivo-social, passa a ser regulada pelas práticas da instituição escolar, assim como as interpenetra e as reconfigura.


Palavras-chave


INCLUSÃO DIGITAL; LETRAMENTO; ESCOLA PÚBLICA

Texto completo:

PDF


ISSN Impresso: 1414 - 5057

ISSN Eletrônico: 2317 - 7756