A produtividade do trabalho improdutivo: as tecnologias gerenciais e o capital

Rafael Rodrigo Mueller

Resumo


O objetivo de nosso estudo é analisar os elementos que constituem objetiva e subjetivamente o que conceituamos como tecnologias gerenciais e, principalmente,quais os construtos teóricos que dão sustentação para a expressão a partir de uma visão capitalista e marxiana necessárias para a sua compreensão, considerando epistemologicamente a perspectiva dialética totalizante. Tornou-se necessária a verificação sistemática da particularidade do objeto em sua abstração (revisão teórica) no intuito de identificarmos o seu impacto na materialidade historicamente desenvolvida. O quadro teórico-metodológico está embasado nos escritos de Marx,centrados na obra O Capital, pela sua apreensão dos nexos causais imanentes à totalidade social, determinantes e determinados pela racionalidade contida na tecnologia. Concluímos que as tecnologias gerenciais não foram concebidas a partir do Sistema Toyota de Produção, mas instrumentos criados e desenvolvidos pelo capital no intuito de perpetuar e potencializar o controle objetivo e subjetivo sobre a organização da produção e do trabalho, tendo como seu gérmen o controle sobre o trabalho cooperado.

 


Palavras-chave


Tecnologias gerenciais. Capital. Trabalho produtivo. Trabalho improdutivo.

Texto completo:

PDF


ISSN Impresso: 1414 - 5057

ISSN Eletrônico: 2317 - 7756