O SUJEITO DIGITAL MULTITAREFA: ENTRE TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO

Sandro Faccin Bortolazzo

Resumo


Este estudo procura mostrar a produção de um tipo de sujeito emergente na sociedade contemporânea: o sujeito digital multitarefa. As representações atreladas à intensa relação de crianças e jovens com artefatos eletrônicos digitais, sublinham a “naturalidade” com que os sujeitos acabaram assumindo a velocidade como parte do cotidiano, inclusive indicando-os como detentores de uma cognição com função “multitarefa”, alicerçada em argumentações adversas. Quer dizer, há grupos de especialistas que reconhecem essa “dispersão” cognitiva como algo vantajoso em um mundo de constante fragmentação, aludindo aos mais jovens como os mais adaptados às novas configurações. Todavia, há os que atribuem à relação com as tecnologias certo “poder” em prejudicar a concentração, dando vazão a particularidades que envolvem o vício tecnológico, a falta de atenção, entre outros danos. A pesquisa contemplou duas movimentações: apresentação de alguns estudos sobre o sujeito digital multitarefa e uma análise de como certas representações estão implicadas em produzir um tipo de identidade e educação ao estilo “digital”. O aporte teórico se apoia em autores como Bauman, Rose, Buckingham, Taspcott, Carr, Prensky, entre outros. Os achados do estudo sinalizam os benefícios e perigos da imersão tecnológica, o que vem permeando igualmente a convocação ao uso dos aparatos tecnológicos nos espaços escolares.


Palavras-chave


Multitarefa. Tecnologias Digitais. Educação.

Texto completo:

PDF


ISSN Impresso: 1414 - 5057

ISSN Eletrônico: 2317 - 7756